Herança de gestões anteriores, filas são desafios da saúde em MS

Por em maio 30, 2016 6:27 pm , Categorias:

Com a Caravana da Saúde, o Governo do Estado conseguiu em pouco mais de um ano zerar uma fila de 30 anos de espera por atendimento oftalmológico na rede pública de Mato Grosso do Sul. O sucesso da iniciativa tem feito o Executivo Estadual se planejar para zerar as filas de outras especialidades, como a do transplante de rim que há mais de um ano estava parada. Há cerca de um mês, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) realizou um transplante em parceria com a Santa Casa.

Agora, tem sido feito esforço concentrado para formação da equipe que dará sequência de atendimento da fila no Estado. Atualmente, pelo menos 200 pessoas aptas a receberem um rim aguardam pelo procedimento. “Queremos fazer duas cirurgias por semana, para zerar essa fila em pouco mais de um ano”, detalhou o secretário estadual de Saúde, Nelson Tavares.

De acordo com ele, a dificuldade maior é a montagem da equipe que terá de prestar atendimento vitalício ao paciente até depois do transplante. A intenção é que as cirurgias retomem o ritmo quando todo o pós-operatório e esse acompanhamento estiverem totalmente ajustados. A SES já tem trabalhado na montagem dessa equipe multidisciplinar.

Fim da espera – Na Caravana da Saúde, os profissionais realizaram cirurgia de catarata em 30 mil pacientes, muitos deles há décadas aguardava pela realização do procedimento na rede pública. Um ano antes do mutirão, em 2014, somente 1.600 pessoas haviam sido operadas.

“Atendemos um idoso que estava há 32 anos aguardando na fila. Gente que esperava há mais de 20 anos tinha aos montes”, detalhou o secretário. Com o esforço concentrado no mutirão, onde seis médicos operavam simultaneamente todos os dias, foi possível zerar essa fila e atender a um excedente que sequer havia se inscrito, por falta de esperança de conseguir o procedimento na rede pública. (Assessoria)