Abandono de praça deixa comunidade revoltada

Por em fevereiro 26, 2019 2:09 pm , Categorias: Categorias: Categorias: Categorias:

 

 

Com foto e matéria publicadas em 14 de junho de 2018, sob o título “Prefeitura Prepara Nova Licitação Para Concluir Praça da Juventude do Noroeste e Vai Retomar a do Parque do Sol”, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) alimentou a esperança de vários bairros da região que aguardavam a conclusão daquela obra, iniciada e interrompida na gestão anterior. Porém, o anúncio que foi motivo de alegria durante alguns dias – ou algumas semanas – já se transformou, há meses, em frustração, revolta, decepção e arrependimento para gente que votou ou ao menos confiou nas promessas do prefeito.
A área da Rua Indianápolis – local escolhido para uma obra lançada pelo prefeito Nelsinho Trad em 2012, iniciada em agosto de 2013 pelo prefeito Alcides Bernal e seu vice Gilmar Olarte, ambos do PP, para entrega em maio de 2015– é um depósito de escombros, sujeira e incompetência ao ar livre. Faz mais de dois anos que Marquinhos Trad, nos palanques e até depois da posse, prometeu concluir esse empreendimento. Entretanto, quem quiser conferir basta fazer uma rápida visita ao local e atestar que esta é mais uma das promessas vazias.

 

Os ladrões que agem na região levaram quase tudo que havia em material de construção. Sobraram alguns vestígios: restos de telhas, tijolos, portas, madeirame, ferragens. Mato e lixo se misturam neste cenário de abandono e desperdício de dinheiro público. Orçada em R$ 4,4 milhões – sendo R$ 3,5 milhões do Ministério dos Esportes e R$ 867 mil do Município –, a obra foi projetada para ser edificada em área reservada como espaço de convivência comunitária para atividades culturais, esportivas, de lazer e de inclusão digital. Só resta com alguma conservação o Ginásio de Esportes, que está inconcluso e sem equipamentos, mas tem a atenção dos moradores e esportistas que o utilizam.

 

A Prefeitura chegou a licitar a obra, mas logo em agosto rompeu o contrato com a Marco Arquitetura Engenharia Construções e Comércio Ltda, que a executaria, sob o argumento de que seria necessária uma readequação do projeto. Assim, tornou-se necessária uma nova licitação, prometida por Marquinhos. Além desta praça, outra foi projetada com o mesmo conceito para o Parque do Sol.

 

Segundo a Prefeitura, essas praças são projetadas para equipar sete mil metros de área construída, com pista de skate e de caminhada, quadra de vôlei de areia e poliesportivo coberto, campo de futebol society, área para salto, academia da terceira idade, aparelhos de malhação e vestiários masculino e feminino. O projeto inclui ainda a construção de anfiteatro, sala de cinema e ambiente reservado para convivência, dotado de equipamentos para malhação.

 

 

A região do Noroeste, na saída para Três Lagoas, é habitada por mais de 54 mil moradores, que não contam com serviços e equipamentos sociais e de serviços básicos, entre os quais os espaços para convivência, esporte e lazer. A dona-de-casa Nair não esconde sua tristeza diante do abandono: “Telha, grade, portão, galpão, até orelhão já levaram. Isso é abandono da prefeitura, ela que deveria arrumar isso aí”, queixa-se, não sem enfatizar que as crianças são as maiores prejudicadas.

 

O pior, conforme dona Nair, é quando chega a noite. Falta iluminação pública e as pessoas ficam intranquilas, não podem sair de casa. “Não tem segurança”, desabafa. E, além disso, ainda restam as ameaças do cotidiano, como a proliferação de insetos e répteis na sujeira e no matagal. O mosquito da dengue é um dos temores. A situação é antiga. Em maio de 2015, durante uma Sessão Comunitária da Câmara Municipal no Jardim Noroeste, o vereador Betinho (PRB) já cobrava o executivo. “Três Praças da Juventude estão em construção desde 2012 com verba do Governo Federal. É preciso que o município dê sua contrapartida e cumpra as etapas para a instalação destas praças”, finalizou o vereador.