Assembleia apoia Unisaúde nas negociações com o Governo

A diretoria da UniSaúde na presidência da AL-MS: reforço na mobilização Por em maio 13, 2019 9:18 pm , Categorias: Categorias: Categorias: Categorias:

 

 

“Os 24 deputados estaduais apoiam as lutas legítimas da sociedade e esta Casa está à disposição para intermediar e auxiliar, no que for solicitado, para que cheguem a bom termo as reivindicações”. Com esta afirmação, o deputado estadual Paulo Corrêa (PSDB), presidente da Assembleia Legislativa, renovou a determinação da diretoria da Caixa de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos de Mato Grosso do Sul (UniSaúde), resumiu a resposta do Poder ao pedido para que ajude a intermediar as negociações entre a operadora e o Executivo.

 

O encontro aconteceu na terça-feira (7), no gabinete da presidência. “Recebemos aqui a visita dos membros da UniSaúde, que trouxeram várias reivindicações e pediram o apoio da Casa para que juntos possamos garantir um atendimento ainda melhor a todos os beneficiários do plano”, afirmou Corrêa. O diretor-executivo da UniSaúdeMS, Zenildo Pereira Dantas, exultou: “Pedimos a audiência com o presidente na tentativa de tornar viável um entendimento com o governo para que atenda algumas reivindicações fundamentais”, explicou.

 

Com cerca de 7,4 mil beneficiários, a UniSaúdeMS quer apoio para estruturar e ampliar e modernizar os serviços que presta, com destaque para políticas de prevenção de moléstias relacionadas à saúde, além de outros serviços assistenciais de promoção de qualidade de vida saudável.

 

COMBATENTES

 

 

Em sessão solene realizada quarta-feira (8), proposta pelo deputado estadual Lídio Lopes (Patri), a Assembleia homenageou personalidades civis e militares com a Medalha do Mérito da Força Expedicionária Brasileira (FEB). Foi uma forma de reverenciar a expedição brasileira que lutou contra o nazifascismo na II Guerra Mundial, nos campos da Itália. A sessão aconteceu no dia em que se comemora os 74 anos da rendição da Alemanha de Hitler.

 

O aquidauanense André Ragalzi, 97, é um dos remanescentes daqueles dias de terríveis combates, quando os pracinhas brasileiros enfrentaram frio, fome, sede e as pesadas artilharias do inimigo. Ao lado de Lídio Lopes ele recordou: “Fazia muito frio. Sofremos muito com a neve, que só parou de cair no dia dois de maio. Quando chegou o dia oito conseguimos subir no Monte Castelo”. Ele tinha 24 anos. Também foi homenageado outro expedicionário: Agostinho Gonçalves da Mota, 93, que é presidente da Associação Nacional dos Veteranos da FEB.