Alta da conta de energia fez preço do frango subir até 40%

Consumidores já fazem contas para comprar carne de frango

Sob efeito da séria crise hídrica enfrentada pelo Brasil, o preço da energia elétrica residencial já acumula alta de 10,6% em 2021 e de 21% em 12 meses até agosto. Os dados foram levantados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os consumidores já sentem essa alta na hora de pagar a conta de luz nos últimos meses. Mas o aumento de preço da energia elétrica está batendo num outro lugar mais inusitado: no preço do frango que se compra no supermercado.

São Paulo é um bom termômetro para essa medição. Conforme pesquisa da Associação Paulista de Supermercados (Apas), o frango ficou 8,6% mais caro nos supermercados paulistanos apenas em agosto. Desde janeiro, a alta acumulada é de 21,42% e, em 12 meses, de 40,44%. Com isso, o frango supera em aumento de preços a carne bovina, que teve alta de 0,15% em agosto e de 36% no acumulado de 12 meses.

E o aumento de custos chega também aos ovos de galinha, com alta de 1,46% em agosto e de mais de 20% em 12 meses. “O caso do frango exemplifica o efeito dominó causado pelos aumentos da bandeira tarifária, já que a energia elétrica é fundamental para a criação de aves”, explica Diego Pereira, economista da Apas.

A bandeira mais cara das contas de luz já foi reajustada em 127% desde dezembro de 2020, com a cobrança adicional passando de R$ 6,24 a cada 100 kWh (quilowatt-hora) ao fim do ano passado, para R$ 14,20 em setembro deste ano. Em Mato Grosso do Sul não é diferente. Além do frango, a carne de porco também já perdeu o atrativo que era o preço mais acessível.

Compartilhe: