Estado prioriza preservação do Rio Paraguai e recuperação do Taquari

Parcerias buscam atender questões como assoreamento dos rios e preservação da mata ciliar

Com foco na preservação do meio ambiente, o governador Reinaldo Azambuja recebeu na quarta-feira passada (8) o mapeamento hidrográfico da Bacia do Rio Paraguai, que foi feito pelo Instituto Taquari Vivo, em parceria com o Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). Ainda aproveitou a reunião para discutir ações de recuperação do Rio Taquari.

A reunião ocorreu no gabinete do governador, tendo a participação da diretoria do Instituto Taquari Vivo por meio de videoconferência. “Foi muito importante esta reunião, eles fizeram todo o mapeamento hídrico da Bacia do Rio Paraguai. O mais importante é a construção de políticas públicas para resolvermos problemas ambientais”, descreveu o governador.

Ainda destacou que as parcerias neste setor buscam atender questões ambientais como assoreamento dos rios, preservação da mata ciliar e a colaboração para o programa Estado Carbono Neutro. “Nosso objetivo é diminuir o impacto ambiental e construir a política de neutralizar a emissão dos gases do efeito estufa até 2030”.

MAPEAMENTO

O mapeamento da Bacia do Rio Paraguai vai permitir identificar os “pontos críticos” de toda bacia em relação a áreas degradas e de erosão, assim como contribuir para uma análise mais rápida do Cadastro Ambiental Rural (CAR) das propriedades que estão nesta região.

“O mapeamento (hidrográfico) da Bacia do Rio Paraguai vai nos permitir fazer uma análise em tempo menor do que previsto do CAR destas propriedades, além de ser um instrumento importante para gestão de política pública do Estado”, explicou o titular da Semagro, Jaime Verruck.

O diretor-executivo do Instituto Taquari Vivo, Renato Rescoe, disse que o mapeamento durou seis meses e que vai melhorar a precisão da rede hídrica do Estado. “O governo vai conseguir enxergar melhor onde estão os pontos críticos, para priorizar ações de intervenção, em relação à erosão e áreas degradadas”.

Roscoe destacou que todo trabalho foi monitorado pelo Imasul, que validou cada etapa deste levantamento. “Antes o mapa disponível era da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico, mas a precisão era muito pequena”.

RIO TAQUARI

O governador aproveitou a reunião para discutir ações para recuperação da Bacia do Rio Taquari, começando pelos pontos mais críticos. “Ao começar os trabalhos nos pontos mais graves, vamos sair da teoria e ir para prática, em ações de mitigações, replantio de mata ciliar e controle de erosão”, descreveu.

O secretário Jaime Verruck ressaltou que as ações serão priorizadas pela Semagro e Imasul. “O governador definiu ao final da reunião que nossa equipe vai focar neste trabalho no Taquari, para isto vamos desenvolver um plano e já temos buscado recursos internacionais para ampliar os investimentos”.

Com três projetos em desenvolvimento na região, o Instituto Taquari Vivo vai seguir o diálogo com o governo do Estado para desenvolver atividades e projetos em conjunto, que visem a recuperação da região.

Compartilhe: