Estudantes do IFMS produzem livro sobre mulheres na ciência

Textos e ilustrações do e-book, que pode ser baixado gratuitamente, relatam a trajetória de 17 mulheres da área da computação

Valorizar o trabalho desenvolvido por mulheres na ciência e estimular meninas a seguir o mesmo caminho. Foi com esse objetivo que um grupo de estudantes do Campus Campo Grande do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) produziu o e-book ‘Heroínas Ocultas: as histórias nunca contadas da ciência’.

O livro, disponível gratuitamente no site da AEditora, conta a trajetória de 17 mulheres na área da computação por meio de textos e ilustrações produzidos pelas próprias estudantes. Para baixá-lo, basta efetuar a compra a custo zero.

O e-book foi produzido por 11 estudantes dos cursos técnicos em Informática e Eletrotécnica do Campus Campo Grande, sendo três bolsistas e oito colaboradoras.

Giovanna Franco, 18, ficou responsável por contar as histórias de Doroty, que teve um papel fundamental para a pesquisa espacial no tempo dela (pág. 23), e das “três marias” Mary (pág. 32), Marie (pág. 38) e a Maria Cecília (pág. 53), responsáveis por grandes descobertas na área da Matemática.

A estudante relata a dificuldade para reunir informações sobre as cientistas.

“Foi muito complicado encontrar referencial na internet porque essas mulheres foram ocultadas. Muitas pesquisas foram feitas em outros idiomas e tivemos que recorrer a redes sociais e parentes para conseguir encontrar os fragmentos das histórias dessas pesquisadoras”, relembra.

A autora destaca que ter participado deste projeto em 2020, no ápice da pandemia de Covid-19, deu sentido à vida.

“Há importância em contar essas histórias, é necessário ter representatividade, não só nesta área, mas em outras também. Esse trabalho somou bastante no desenvolvimento do meu senso crítico, na minha capacidade de ser mulher, de ser cidadã, e eu espero que ele toque as outras pessoas como me tocou”, pontua Giovanna.

Também responsável por produzir textos, a estudante Bianca Ribas, 17, ressalta que participar do projeto agregou conhecimento para a vida.

“O que mais me chamou a atenção foi o quanto as mulheres fizeram pelo mundo tecnológico e como foram fortes por continuar em suas profissões, mesmo sendo pouco valorizadas e desacreditadas”, comenta.

Bianca destaca ainda que o trabalho em grupo foi essencial para a construção de um livro harmônico. E conta que a produção dos textos tinha como foco fazer um material acessível a leitores de quaisquer idades.

“Nas pesquisas bibliográficas, procurei por diferentes aspectos da vida dessas mulheres, informações que poderiam agregar às histórias. Em seguida, produzi as narrativas e tentei adaptar ao máximo a linguagem para que as crianças pudessem ter uma maior compreensão sobre os textos”, explica.

 

Compartilhe: