MS reclama de exclusão e cobra presença na MP da Eletrobras

Reinaldo Azambuja e Sérgio Murilo marcaram posição no Ministério das Minas e Energia

Na quarta-feira (28), o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o secretário de Governo e Gestão Estratégica, Sérgio Murilo, reuniram-se com o ministro de Minas e Energia, Bento de Albuquerque Jr, para cobrar do governo federal a inclusão de Mato Grosso do Sul na Medida Provisória 1031, que trata da desestatização da Eletrobras. Azambuja reclamou da exclusão e também pediu a Albuquerque Jr que sejam contempladas as outras unidades federativas do Norte e Centro-Oeste, que não estão contempladas.

Segundo o governador, o texto privilegia as regiões Norte e Nordeste, mas a partir da conversa no ministério acredita nos resultados. “Nossa proposta foi muito bem recebida. Pedimos um olhar para as bacias do Centro-Oeste, que têm grande potencial para a geração de energia, mas sofre com a falta de capacidade de preservação”, diz. E conta que destacou ao ministro o ativo ambiental desses estados, citando o impacto de programas governamentais que não se preocuparam com o meio ambiente.

Um dos programas mencionados por Azambuja foi o batizado de ‘Plante que o João Garante’. Lançada e executada nos anos 1970 pelo governo de João Figueiredo, a iniciativa incentivou a agricultura extensiva e dizimou grande parte do Cerrado, principalmente de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, provocando um dos grandes desastres ambientais do País, o assoreamento do Rio Taquari.

PERSPECTIVAS

O secretário Sérgio Murilo concorda que a agenda foi muito proveitosa. Ele acredita que o Estado poderá ser atendido por programas de preservação ambiental. “Entendemos a necessidade da desestatização da Eletrobras, que teve uma perda da capacidade de investimentos, enquanto o Brasil tem uma necessidade de geração de energia. O que queremos é que as concessionárias tenham um olhar para o Centro-Oeste”.

Pela proposta de privatização, a Eletrobras deverá desenvolver projetos de revitalização da bacia do Rio São Francisco, de redução estrutural de custos de geração na Amazônia Legal e de revitalização de recursos hídricos das bacias hidrográficas na área de influência dos reservatórios das usinas de Furnas. A agenda contou com os governadores Ronaldo Caiado (GO) e Mauro Carlesse (TO), que também reivindicam a contemplação dos seus estados.

A Eletrobras é a maior companhia brasileira do setor de energia elétrica. Apesar de ser uma sociedade de economia mista e de capital aberto, a empresa é estatal porque o governo brasileiro é dono da maior parte. O projeto de privatização proposto pelo governo federal será feito através da venda de novas ações no mercado, de modo que a participação da União seja reduzida para menos de 50%.

Compartilhe: