SILVIO PITU

“Podemos fazer muito mais por Campo Grande”
Vereador em primeiro mandato alinha desafios que precisam de resposta e destaca as conquistas

Atacantes como Ibrahimovich, Aloísio Chulapa e Jô fazendo a função de pivô para abrir espaços na zaga adversária devem ter servido de inspiração a Silvio Eduardo Alves Pena quando disputava suas partidas de futebol. Era habilidoso, versátil, mas a carreira nos gramados foi substituída pelas atividades comunitárias e às iniciativas voltadas à inclusão social.

Nessas ocupações, já conhecido como Silvio Pitu, o filho de Mauro Lino Alves Pena e Rosangela Pena, casado com Rafaely e pai de Silvio Eduardo e Carlos Eduardo, se descobriu com a vocação para a política e o servir à sociedade. Aprofundou-se na interação com a comunidade trabalhando no rádio e prestando assessoria política na Assembleia Legislativa, Câmara Municipal e Prefeitura.

Jovem, mas com acúmulo de experiências, não tardou para Silvio Pitu receber e aceitar o chamado da política. Na primeira experiência já saiu das urnas como suplente de vereador. Na segunda, conquistou 4.117 votos e seu primeiro mandato. Nesta entrevista à FOLHA, ele faça sobre seus maiores desafios.

 

FOLHA DE CAMPO GRANDE – Entre bandeiras, projetos e realidades quais as perspectivas que seu mandato pretende oferecer a Campo Grande?
SILVIO PITU – Não carrego bandeiras, porque atuo e me dedico a todos os projetos e iniciativas que beneficiam a sociedade, que assegurem atendimento digno a toda a população e efetivem melhorias para nossa cidade.

FCG – Além de ter atuado em assessorias de políticos e ser radialista, alguma outra experiência fortaleceu sua trajetória política?
SP – O meu maior alicerce na vida é a minha família, que fortaleceu minha caminhada, sempre me apoiou e esteve ao meu lado.

FCG – É de sua autoria o projeto que cria o Memorial de Homenagem aos Mortos pela Covid. Qual tem sido seu posicionamento em relação ao tratamento preventivo, distanciamento social, uso de máscara e vacina?
SP – É de suma importância a homenagem às vítimas mortas em decorrência do Covid-19. É para marcar historicamente o enfrentamento e as consequências da pandemia e, principalmente, oferecer aos familiares, amigos e munícipes um local para homenagear seus entes queridos. Muitos não tiveram a oportunidade de se despedir dos seus entes de forma digna, pois por longo tempo não havia sequer a possibilidade de um velório. É necessário que se tenha o mais rapidamente possível o diagnóstico da doença, para já iniciar o tratamento proposto pelo médico ao paciente, mantendo o distanciamento social, o uso de máscaras e vacina para todos.

FCG – O que tem maior prioridade: o combate à pandemia, a retomada da economia ou ambos?
SP – Sem dúvida, ambos. Com a população sendo imunizada, mantendo as devidas orientações que já vem sendo seguidas, creio que gradativamente tanto a economia como a pandemia estão e estarão sendo priorizadas nesse momento tão difícil.

FCG – Quais as principais demandas que a cidade precisa atender enquanto se aproxima da casa de um milhão de habitantes?
SP – Estamos caminhando muito bem, trabalhando muito juntos ao prefeito Marcos Trad. Contudo, podemos melhorar alguns pontos primordiais, como saúde, educação, trânsito e criação de novos empregos, além de lutar a cada dia pela inclusão de pessoas com necessidades especiais. Estou seguro de que podemos fazer muito mais por Campo Grande.

FCG – Um dos gargalos na expansão de Campo Grande é o trânsito. O atual sistema de transporte coletivo é suficiente ou é necessário buscar opções como o VLT ou o metrô, por exemplo?
SP – O trânsito de Campo Grande é relativamente bom. Temos lutado cada vez mais por transporte público com qualidade. Com esse crescimento é inevitável buscar novas alternativas. Por isso, estamos reivindicando à Secretaria de Transporte e Trânsito melhorias no sistema que atende nossa capital.

FCG – Aprova ou reprova a administração Marquinhos Trad? O que é para ser aplaudido, para ser criticado ou modificado?
SP – Aprovo. Basta manter o que já vem fazendo e continuaremos a progredir. Marcos Trad é um prefeito de excelência e sabe administrar a cidade, tem todo meu apoio e admiração.

FCG – Aos 37 anos, fazendo parte de uma nova geração de lideranças políticas, é natural que tenha planos para voos mais altos. Quais seriam?
SP – Por enquanto, somente cumprir meu mandato, conforme prometi. Quero trabalhar muito para que nossa população se sinta feliz por morar em Campo Grande e para que todas as pessoas tenham aqui uma vida de qualidade.

Compartilhe: