Beckett: thriller intenso na Grécia

Beckett-Principal

Beckett serve como um lembrete de que um thriller não precisa de um truque excessivamente inteligente, alguns efeitos visuais espetaculares, várias acrobacias exageradas e / ou muitas sequências de ação estilizadas para ter sucesso. Aqui, o roteirista Kevin A. Rice e o diretor Ferdinando Cito Filomarino retornam ao tipo de abordagem reduzida ao básico que definiu os thrillers por décadas.

Uma pessoa comum, sem nenhuma habilidade ou treinamento exclusivo ou especial, é perseguida e caçada por motivos que não compreende. O enredo é simples, mas a técnica e as performances do filme estão longe de ser simplistas.

A única coisa que chega perto de um conceito aqui é que nosso herói homônimo, interpretado por John David Washington, está de férias na Grécia quando a perseguição começa. Beckett não conhece a geografia – seja o terreno ou onde qualquer coisa está em relação a onde ele está e para onde quer ir – ou a língua – embora pelo menos um bom número de aliados provisórios ou inimigos definitivos saibam inglês.

Tudo parece bem no início. Beckett e sua namorada, April (Alicia Vikander), abandonaram Atenas por causa de um protesto / comício político que está programado para alguns dias (a história se passa durante os estágios iniciais da crise econômica e da dívida do país), para um passeio por aldeias rurais mais calmas. Eles tiveram um pouco de dificuldade, mas estão trabalhando no plano – aproveitando os passeios, as caminhadas por ruínas antigas e tomando café nos cafés locais. Dirigindo para sua próxima parada no meio da noite, April adormece no banco do passageiro e Beckett começa a cochilar. Ele acorda, tarde demais, com o carro saindo da estrada, caindo na beira de uma queda e batendo em uma casa mais abaixo na colina. April pousou, após ser atirada pelo para-brisa. Ela está morta. A polícia oferece condolências no hospital e sonda Beckett com perguntas na delegacia, porém algo parece estranho.

Deve-se ser capaz de prever o fluxo geral desta história a partir daí. Beckett corre, tenta obter ajuda, encontra-se confrontando a mulher ou o policial ou algum outro inimigo anteriormente desconhecido, e continua correndo, com algum inimigo ou inimigos sempre em seu encalço e mais perto – cada vez mais perto. Algumas pessoas o ajudam, incluindo duas ativistas políticas Lena e Thalia (Vicky Krieps e Daphne Alexander) que fazem a mente de Beckett seguir na direção correta sobre o motivo pelo qual ele está sendo caçado. Nem na Embaixada há facilidade e Tynan (Boyd Holbrook) é a prova.

Washington, interpretando um cara reduzido a instintos de sobrevivência e táticas de autopreservação, torna-se um “homem ingênuo” bastante simpático, no sentido hitchcockiano. Também há um pouco mais neste personagem, especialmente quando, por que e como ele decide fazer algo certo, além de só por si mesmo e sua sobrevivência.

Em Becket a simplicidade é freqüentemente rejeitada ou evitada, mas quando funciona, funciona.

5 pipocas!

 

 

Disponível na Netflix.

Compartilhe: