Eu Sou Todas As Meninas: um thriller sobre o tráfico sexual

I-am-all-girls-Principal

Em Eu Sou Todas As Meninas, agora transmitido pela Netflix, as mulheres buscam justiça em seus próprios termos. Passado em várias linhas do tempo na África do Sul – tanto durante os dias de desaparecimento do apartheid quanto no presente – este filme é baseado em fatos reais e mostra os horrores do tráfico humano e da devastação que ele deixa em seu rastro.

Em 1994, a jovem Ntombizonke Bapai é sequestrada com várias outras meninas e levada para o complexo do ministro do Partido Nacional, F.J. Nolte (Deon Lotz), onde muitas delas são vendidas para o tráfico humano. Quando ela está “esgotada”, ela e outras garotas são enviadas para um bordel de baixo custo, onde suas vidas neste mundo sombrio continuam. Anos depois, Ntombizonke (Hlubi Mboya) trabalha com a polícia ao lado de Jodie Snyman (Erica Wessels). Depois de outra apreensão de tráfico fracassada, Jodie é afastada de perseguir esses tipos de casos e, em vez disso, é designada para um caso de assassinato. Ela logo descobre que esse assassinato – que deixou um pedófilo morto em um parque com as iniciais gravadas em seu peito – está conectado aos crimes de tráfico sexual que ela tem investigado por anos.

Conforme Jodie se aprofunda neste caso, mais corpos (com mais iniciais) continuam a pipocar ​​pela cidade, e ela percebe que eles carregam as iniciais de um grupo de garotas que foram sequestradas nos anos 90. Não importa o quão perto ela chegue de expor a verdade e prender os perpetradores, seu trabalho árduo é inevitavelmente interrompido pela burocracia e corrupção. Quando fica claro que o assassino desses homens maus provavelmente está ligado à polícia, as coisas ficam ainda mais complicadas. e, mesmo com seu supervisor ameaçando demití-la e todas as outras reviravoltas, no entanto, Jodie se recusa a recuar.

Eu Sou Todas As Meninas deve lembrá-lo um pouco de Por Uma Vida Melhor, o drama de tráfico sexual nigeriano que apareceu na Netflix no outono passado, bem como thrillers como Busca Implacável, A Informante e com algumas vibrações de O Protetor e Sicario: Terra de Ninguém incluídas.

Ambas as protagonistas fazem um trabalho de tirar o fôlego, mas Hlubi Mboya é simplesmente extraordinária como o anjo vingador Ntombizonke Bapai. Ela é o coração de Eu Sou Todas As Meninas, fazendo uma careta para seus colegas de trabalho no departamento de polícia e derramando lágrimas (e se vingando) a portas fechadas. Mboya tem apenas uma daquelas caras; você não consegue desviar o olhar, e há muito mais entendido com apenas um olhar ou um suspiro. Combine seu belo desempenho com sua química com Erica Wessels e você têm algo verdadeiramente mágico.

O tráfico sexual – especialmente o tráfico de crianças pequenas – é um assunto delicado e difícil de retratar com sensibilidade na tela. Felizmente, Eu Sou Todas As Meninas aborda esse assunto pesado com grande sensibilidade e nuance, deixando as coisas implícitas e permitindo que esses pensamentos horríveis falem por si. Eu Sou Todas As Meninas não funcionaria sem a direção compassiva de Donovan Marsh, e ele consegue contar uma história em partes irritante, emocionante e comovente.

O que realmente diferencia Eu Sou Todas As Meninas do resto é o fato de que duas mulheres estão no centro desta história. Não apenas as jornadas respectivas de Jodie e Ntombi são poderosas, mas sua conexão uma com a outra realmente ressoa. Há um amor tão profundo ali, mesmo antes de as duas parecerem entender, e isso é em grande parte graças à química entre as performers Hlubi Mboya e Erica Wessels, e por causa da boa escrita e direção. Saber o que ambas investiram neste mundo e uma na outra torna cada reviravolta muito mais difícil. Um filme sobre a corrupção que permite a existência de crimes contra a humanidade, como o tráfico sexual, teria sido interessante, com certeza, mas essas protagonistas transformam essa história em algo incrivelmente especial.

5 pipocas!

Disponível na Netflix.

Compartilhe: