Happier Than Ever – Uma Carta de Amor Para LA: ode a LA

Hapier-Principal

A estrela pop nativa e dona da p%$#@! toda Billie Eilish encena Happier Than Ever – Uma Carta de Amor Para LA no palco histórico de Los Angeles, o Hollywood Bowl, apresentando seu segundo álbum em sua totalidade e se transformando em um avatar de desenho animado dela mesma para uma sequência de sequências animadas que a acompanham. Essa coisa com certeza fará sua próspera base de fãs ter um treco, como eu.

Chamada de “experiência de show”, Carta de Amor apresenta todas as 16 canções do recente segundo álbum de Billie Eilish, Happier Than Ever, 56 minutos, apresentado cronologicamente no palco do Hollywood Bowl vazio pela cantora vencedora do Grammy, seu irmão e colaborador musical regular Finneas O’Connell, e convidados especiais incluindo a Filarmônica de Los Angeles regida por Gustavo Dudamel, o violonista brasileiro Romero Lubambo e o Coral Infantil de LA. Acompanhando a filmagem ao vivo, que foi dirigido por Robert Rodriguez, estão cenas animadas de um desenho animado de Billie viajando por LA em um Porsche conversível, adicionando um toque noir ao estilo Jessica Rabbit ao show. O animador afiliado à Disney e vencedor do Oscar, Peter Osborne, cuidou da direção das sequências animadas. Os tons suaves e a autorreflexão lírica do primeiro álbum “Getting Older” ronronam aqui.

A reflexão é a chave para Happier Than Ever; é o recorde em que uma estrela mundial, um fenômeno da música pop contemporânea, e conta com sua fama, imagem, mentalidade e percepção da mídia. Eilish foi forçada entrar no show business aos 18 anos e com uma vida pela frente. Por mais introspectivo que seja, e com seu lançamento promocional limitado pelas restrições do COVID, Love Letter serve como uma espécie de visualizador para o novo material de Eilish. Esse deleite de Eilish chega a zilhões, é claro, então eles com certeza vão comer essas performances com uma colher gigante! O palco do Hollywood Bowl permanece praticamente sem “adornos” no início, com Finneas de um lado nas teclas ou no baixo, um baterista de brinde e Eilish no centro, utilizando o espaço a seu favor. Mas ela usa a câmera também, ocasionalmente cantando diretamente para as lentes com um olhar de alegria e travessura. Pode não haver ninguém nos camarotes do Bowl, mas Eilish está definitivamente agarrando fãs em todos os lugares pelas lapelas.

Quanto à animação de Love Letter, as breves sequências têm uma paleta linda e inerte, misturando livremente entre desenho animado e carro real, ou sangrando na noite animada em fatias de antenas do Hollywood Hills (o bairro dos famos). O toon de Billie examina a paisagem urbana do telhado do Hotel Roosevelt e acelera ao longo da Pacific Coast Highway em seu Porsche. As partes animadas adicionam clima e algumas surpresas elegantes ao show.

Este é o programa de Billie Eilish. Ela pisa e dança, mas principalmente preenche os espaços vazios do Bowl com seu impressionante mezzo-soprano, aparentemente mais forte do que nunca, e um BUM! interpretativo que vai além para estabelecer as músicas de Happier Than Ever. Shots de laranja emprestam a noite um toque de esplendor às harpas, violoncelos e xilofones da Filarmônica. As costelas do Hollywood Bowl piscando para dentro e para fora com sua iluminação total são lindas.

Raios de vermelho vivo atravessando tudo para a pulsação eletrizante de “Oxytocin” deixam esta Carta de Amor está definitivamente acesa.

E embora Eilish seja justamente o ponto central para a direção de Rodriguez, há muitos momentos de destaque. Close-ups e cortes pra instrumentação, por exemplo, ou a forma como o coro das crianças se posiciona como sentinelas ao redor da borda do semicírculo do palco do Hollywood Bowl, alimentam a vibração etérea de “Goldwing”. Carta de Amor corta de forma inteligente a tagarelice e os bastidores tão comuns aos documentários musicais em favor de enfatizar aquela coisa mais ousada: a música.

Como a carreira de Billie Eilish surgiu meteórica, tem sido um procedimento padrão colocá-la no cenário como polêmica. Ela é jovem! Ela tem atitude! E as roupas dela?! É uma narrativa cansativa, e Eilish aborda de frente isso com a cáustico “Not My Responsibility”. O que este filme mais enfatiza é a nuance, o poder e a habilidade estudada de Eilish. À medida que seu trabalho continua a emergir de seu espaço formativo no estúdio de gravação do quarto de Finneas, filmagens de shows como esta – mesmo em sua forma um pouco atrofiada e sem público – se tornam um documento importante de uma artista que continua a provar o quão duradouro e ressonante ela está preparada para ser.

Happier Than Ever – Uma Carta de Amor Para LA pode ser o tributo de Billie Eilish à sua cidade natal, mas é maior do que isso como um filme, servindo para concretizar sua posição como artista ao vivo e emprestar panache visual para um dos maiores álbuns da era COVID-19.

5 pipocas!

Disponínel no Disney+.

Compartilhe: