Little Fish: um romance pandêmico

Little-Fish-Principal

A Aflição Neuroinflamatória ou NIA é uma doença aguda semelhante ao Alzheimer que destrói as memórias da parte afetada e, ela pode atacar instantaneamente: os motoristas de ônibus esquecem como dirigir sentados em um cruzamento, os músicos não sabem mais tocar seus instrumentos no meio de um show. Em todos os casos os sintomas aparecem aos poucos enquanto amigos e familiares observam lentamente seus entes queridos desaparecerem bem diante de seus olhos.

A veterinária Emma Ryerson (Olivia Cooke) e o fotógrafo Jude Williams (Jack O’Connell) estão apaixonados. Eles sabiam que estavam destinados a ficar juntos quase desde o primeiro momento que se conheceram, mesmo que Emma estivesse em um outro relacionamento na época. Os dois logo se casam em aparente estado de êxtase mas, quando Jude começa a mostrar os primeiros sinais de NIA, eles estão compreensivelmente abalados, e esperando desesperadamente que uma cura ou tratamento seja encontrada antes que seja tarde demais. Assim como foi para seus amigos Ben (Raúl Castillo) e Sammantha (Soko).

Little Fish não é o filme mais fácil de se assistir no momento. É um drama inflexível que nunca se esquiva da terrível calamidade em seu cerne, tornando o romance de ficção científica de Chad Hartigan (Morris From América) um exame bastante perfeito de como é viver sob a sombra de uma pandemia global massiva. Se essa era ou não a sua intenção original, entretanto, é uma questão que deixo para outro dia.

Olivia Cooke é maravilhosa aqui. Ela carrega este filme por todos os seus altos e baixos com uma graça magnética. A atriz dá vida a Emma, ​​adicionando camadas de profundidade que saltam da tela. Há até um momento quase divino em que ela se depara com uma fila de pessoas tentando obter uma colocação em um estudo da NIA e a enxurrada de emoções que cruza seu rosto quando ela percebe o que isso pode significar para Jude nos deixa perplexo. Cooke é sensacional do começo ao fim, e nunca há uma batida ou movimento em falso em qualquer coisa que ela faz.

Onde Chad Hartigan se destaca mais é em sua construção de mundo e como ele encaixa todas as suas peças de quebra-cabeça não lineares com tanta facilidade. Há uma tensão constante borbulhando sob a superfície da jornada de Emma e Jude que me manteve interessado em descobrir o que iria acontecer a seguir. Mais do que isso, havia um lirismo poético nos momentos culminantes que trouxeram lágrimas aos meus olhos; a bela simplicidade das últimas cenas encheu meu coração de uma alegria inesperada.

Isso tudo é o que faz Little Fish valer a pena. Mesmo que Hartigan nunca pudesse antecipar que seu drama seria lançado em condições como as que estamos vivendo atualmente, de forma alguma ele não poderia pedir um momento melhor para seu filme ser distribuído. Ele traz uma aura revigorante de esperança para o que inicialmente parece ser uma situação totalmente ausente dela, tornando esta história de amor um excelente lembrete de que pequenas coisas podem fazer milagres e fazendo conexões humanas autênticas – não importa como elas ocorram – um presente inestimável que vale a pena a comemorar.

5 pipocas!

Compartilhe: