Panic: não pode ter medo se quiser vencer

Panic-Principal

Eu não tinha ideia do que era Panic quando li pela primeira vez a descrição do enredo em uma frase. “Uma história de jovens jogando um jogo perigoso na esperança de poder deixar a cidade”. Meu cérebro, incorretamente, decidiu interpretar isso como algum tipo de Jogos Vorazes em pequena escala.

Em vez disso, Panic é um drama adolescente. Tem mistério e intriga e drogas e empreendimentos criminosos e todas essas coisas divertidas, mas também é baseado na realidade. Aqui, temos uma história sobre crianças normais em alguma pequena cidade do Texas que jogam uma espécie de jogo de ousadia que envolve coisas divertidas como pular de um penhasco muito alto em um lago, invadir a casa de alguém e roubar coisas, atravessar com os olhos vendados uma ponte ferroviária velha e assustadora e etc. Quem quer que faça todos os desafios e chegue ao fim, ganha 50.000 dólares. Ninguém sabe como o jogo começou ou quem é o responsável por ele, mas é um bilhete de ouro para uma alma corajosa (e sortuda).

Depois de uma pausa muito necessária do universo cinematográfico de “adolescentes se colocando em situações de vida ou morte”, Panic é um retorno familiar, mas revigorante, ao gênero.

A protagonista Heather (Olivia Welch), não tem planos de participar da versão de sua cidade natal de The Purge. Na verdade, ela está com medo por sua melhor amiga Natalie (Jessica Sula), que está decidida a ganhar o prêmio de 50.000. Mas com grandes sonhos de faculdade e nenhuma perspectiva de emprego real, junto com uma mãe que constantemente rouba dela para fazer suas próprias despesas, Heather decide resolver o problema por conta própria – mesmo que isso signifique arriscar sua vida e sua amizade.

As adaptações de aventuras juvenis de maior sucesso dão a seus protagonistas adolescentes a chance de experimentar uma versão dramatizada da vida fora dos confins do colégio. Embora fundamentados na realidade, os desafios apresentam elementos de alta intensidade que parecerão familiares aos fãs da mídia distópica. No final do dia, essas crianças são forçadas a enfrentar seus medos mais íntimos – o que não só as coloca em intenso perigo físico, mas também tem a capacidade de causar sérios danos emocionais.

A série resolve muitas das queixas frequentemente apresentadas nas adaptações de romances para jovens adultos. Lauren Oliver (a criadora) não apenas teve muito controle autoral na escrita e produção da adaptação, como também fez com que o formato de dez episódios permitisse uma exploração muito mais rica (e mais fiel) dos temas e personagens do romance do que um filme de duas horas poderia permitir.

Panic é uma série de roer as unhas que, mesmo com uma fórmula familiar, vai a lugares inesperados. É tão dramático e empolgante quanto qualquer série adolescente deveria ser, mas o show é baseado em seu elenco de destaque que vai mantê-lo questionando as intenções de todos. Você vai se ver torcendo por um vencedor até o final, mesmo que tenha que assistir por entre os dedos tapando os olhos.

5 pipocas!

Disponível na Amazon Prime Video.

Compartilhe: