Presságios de Um Crime: clarividência e crimes…

Pressagios-de-1-Crime-Principal

A dica de hoje volta para 2016.

O suspense serial killer Presságios de Um Crime (Solace) ficou preso no limbo do desenvolvimento por mais de uma década – tanto tempo que em um ponto sua história foi lançada como uma possível sequência de Se7en. O filme parece uma sobra de uma era anterior, quando policiais perseguiam gênios loucos em telas multiplex aparentemente todo fim de semana. Mas, como sobras, Presságios de Um Crime retém uma quantidade razoável de sabor, graças aos ingredientes de alta qualidade.

Anthony Hopkins, que ajudou a popularizar esse gênero com sua vitória no Oscar por Silêncio dos Inocentes, interpreta John Clancy, um clarividente cansado do mundo, chamado por um velho amigo policial (Jeffrey Dean Morgan, o Negan de TWD) para ajudar em um caso difícil. Colin Farrell interpreta Charles Ambrose, o vilão da peça, que aparece no meio do filme como um assassino psíquico que visa os doentes terminais.

Grande parte de Presságios de Um Crime consiste em uma investigação sobre charadas, furos na parte de trrás da cabeça, vestidos com os detalhes floridos comuns referentes a esses tipos de filmes e programas de TV: as cenas de crime são elaboradamente sangrentas, as pistas poéticas e as conversas são filosóficas sobre a vida e morte. O diretor Afonso Poyart retira um toque visual do presente compartilhado de Clancy e Ambrose, usando montagens e efeitos especiais para mostrar a eles a possibilidade de imaginar o futuro possível de todos que os encontrarem.

O enredo de Presságios de Um Crime não é nada genérico – e sim, muito bom – e deve ser levado a sério, provavelmente por isso que o filme demorou tanto para sair. Tem estilo e apelo de retrocesso. Mais importante, ele tem Hopkins e Farrell, trazendo um toque de classe a um jogo familiar de gato e rato.

5 pipocas!

Em cartaz na Amazon Prime Video.

Compartilhe: