Viajantes – Instinto e Desejo: disputa pela mocinha no espaço

Viajantes-Principal

Com seu elenco de jovens promissores e fotogênicos, Viajantes – Instinto e Desejo de Neil Burger é erroneamente classificado como adulto sc-fi na Austrália porém se mostra um filme muito mais voltado para um público jovem adolescente do que para fãs de ficção científica. Ainda assim, essa parábola curiosa, mas envolvente, tem seu próprio lado especulativo, baseado principalmente em ciências inusitadas: a sociologia, por exemplo, com uma sugestão do debate natureza ou criação.

A viagem em questão é para o espaço sideral, e Burger não faz nenhum esforço para esconder sua inspiração nos clássicos como Alien e 2001 Uma Odisseia no Espaço. Mas igualmente, ele trata a espaçonave como um dormitório de faculdade de alta tecnologia, permitindo-lhe abusar nos romances e rivalidades de um jovem grupo que vive de perto a fórmula mais antiga de um reality show.

Escrito e dirigido por Burger – o pau para toda obra que nos trouxe a imitação dos Jogos Vorazes, de 2014, Divergente – o filme começa em uma Terra de futuro próximo esboçada às pressas, onde desastres ambientais forçaram a humanidade a buscar um novo lar. Mas mesmo com a aparente invenção da viagem mais rápida do que a luz, a jornada levará cerca de um século, o que significa que pelo menos uma geração de astronautas provavelmente viverá e morrerá a bordo da nave.

E onde encontrar os heróis dispostos a fazer tal sacrifício? A resposta é criá-los em um laboratório, usando material genético doado por ganhadores do Prêmio Nobel e assim por diante. Criados isolados do resto da humanidade, eles são submetidos a um programa de educação intensivo projetado para prepará-los para sua missão. Há algo patentemente monstruoso em todo esse esquema, um pouco reminiscente do tratamento dado aos clonados.

No entanto, a princípio, as questões éticas são um tanto encobertas: somos encorajados a acreditar na decência de Richard Alling (Colin Farrell), o cientista mais velho que escolhe acompanhar seus pupilos em sua jornada para um mundo melhor. Assim que a viagem está em andamento, no entanto, o herói Christopher (Tye Sheridan) e seu amigo Zac (Fionn Whitehead) fazem algumas descobertas desconcertantes. Existe, por exemplo, um misterioso compartimento escondido na nave.

Ainda mais surpreendente, parece que toda a tripulação, exceto Richard, está recebendo medicamentos para reduzir o desejo sexual – o que explica seu comportamento estranhamente calmo, até robótico. Assim que eles param de usar o “remédio”, Christopher e Zac começam a ver o mundo de forma diferente e ambos se apaixonam pela mesma garota, a oficial médica do navio Sela (Lily-Rose Depp), que permanece friamente indiferente.

O retrato do sexo no espaço permanece previsivelmente discreto, em comparação com a abordagem arriscada adotada pela diretora francesa Claire Denis em High Life – Uma Nova Vida de 2018. No entanto, para os padrões de Hollywood em 2021, há uma certa ousadia em levantar a questão. A linguagem visual de Burger cria seu próprio senso de intimidade, enfatizando as texturas da pele e destacando os momentos em que os personagens se tocam fisicamente – o que, para o bem ou para o mal, sempre significa que um limite foi ultrapassado.

Mesmo com o potencial de romance se abrindo, o filme não deixa de parecer um thriller de terror, especialmente pela qualidade de alfinetes e agulhas da trilha sonora de Trevor Gureckis. Por muito tempo, todos os tipos de possibilidades estão em jogo, e grande parte da tensão e da ambigüidade continuam até o clímax.

Mas, apesar de todos os momentos íntimos que nos deixam desajeitados, há uma ideia ressonante no centro de Viajantes – Instinto e Desejo: são homens e mulheres quase adultos, no final da adolescência ou início dos 20 anos, que perderam o aprendizado de como se comportar como adultos. Como visão do futuro, isso pertence muito ao presente. Ou seja, uma boa crítica da sociedade hoje.

5 pipocas!

Disponível na Amazon Prime Video.

Compartilhe: